Como encontrar Deus no dia a dia?

0
dia a dia

Muitas vezes temos a ideia de que Deus se manifesta somente no extraordinário, com revelações sobrenaturais ou em momentos muito profundos, isso nos dá uma noção de distanciamento e de um Pai que é exigente no encontro. De fato, Ele se manifesta nas grandes coisas, já que é o Deus Todo Poderoso e do Impossível, mas também é o Deus da Misericórdia e da pequenez, que sabe das misérias de seus filhos e no ordinário se faz presente. Deus sempre está em nosso dia a dia.

Mas encontrar o Pai no cotidiano não significa estabelecer uma relação superficial ou ter uma conversa de elevador com Jesus! É justamente o contrário: tê-Lo no dia a dia pede intimidade, vida de oração, pureza e louvor, porque inclusive naquilo que parece superficial Ele está lá. Deus se faz constante no que tornamos banal, Ele se faz presente em nosso dia a dia, porque sabe que precisamos d’Ele e sabe que é no ordinário que podemos ser mais e mais dele. O hoje da nossa rotina, com Jesus, é a via perfeita de santidade.

Muito mais que uma conversa de elevador, o próprio elevador

Uma grande aliada e professora nessa construção da profundidade no encontro da pequenez cotidiana é Santa Teresinha do Menino Jesus, ela convertia a rotina, os pequenos gestos, relacionamentos e tarefas, tudo, em um profundo encontro com o Senhor. Ela entendia que Deus, na sua imensa bondade, dava de presente a ela a oportunidade de encontrá-Lo em tudo, mesmo diante do nada que ela era e vivia diante da grandeza de Deus, o Amado dela estava lá. Dia a dia.

Então precisamos entender a importância dessa constância. É ótimo encontrar Deus no retiro e naquela experiência magnífica, mas é fundamental Ele ser tão frequente e natural na minha vida, como o simples gesto de beber água, escovar os dentes e ir trabalhar, Ele é tão íntimo como aquela pessoa do meu WhatsApp e tão frequente à minha vista como aquele influenciador do Instagram.

Tê-Lo no dia a dia aniquila a nossa relação utilitarista com Deus, Ele, além de estar nos meus momentos de dor, está no concreto na vida que Ele mesmo me deu.

Santa Teresinha diz que a misericórdia de Deus é como um elevador, que a eleva para os braços do Pai, ela só precisava abandonar e confiar tudo a Ele, tudo passa a se converter em amor para, assim, amar Jesus. E encontrar Deus no dia a dia e consagrar tudo a Ele é viver esse elevador, é abandonar, confiar até o meu banho e o meu almoço a Ele, é nos deixarmos subir nesse elevador da bondade. Por isso eu digo, é muito mais que ter conversas levianas de elevador com Jesus ao longo do dia, é viver o próprio elevador.

Esclarecida a importância, vamos ao como.

Por onde começar?

O primeiro passo é querer encontrar Jesus, e a gente só gosta de encontrar quem temos pelo menos um pouco de intimidade ou alguém que queremos ter tal proximidade. E esse primeiro contato é na oração pessoal e diária. Pelo menos uma parte do seu dia – não na correria – você precisa reservar para ter um encontro mais profundo com Jesus, começar a desenvolver essa intimidade e a sensibilidade para enxergá-Lo na rotina.

Jesus sempre estará em tudo, parte de nós encontrá-Lo. É como está escrito em Apocalipse, 3.20: “Eis que estou sempre à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearemos, eu com ele e ele comigo.” E a escuta da voz vem com o poder da oração.

Endossada a decisão de em tudo encontrar Jesus, precisamos viver tudo na certeza de querer amá-Lo. E isso está justamente no pequeno, não espere que nesse encontro você escute uma voz do além ou algo do tipo, isso pode sim acontecer, mas muitas vezes não é a realidade. Nós vamos encontrar Deus no outro, no trabalho, lutando contra a murmuração, em um filme, naquilo que alguém me disse no ônibus, em um livro, em um pensamento enquanto cozinho. No dia a dia de verdade.

Ele se faz presente no louvor, na doação e na fidelidade nas pequenas coisas. Vou dar dois exemplos meus, eu tenho muita irritação quando alguém mastiga alto perto de mim e morro de vontade de fazer cara feia para a pessoa perceber, na minha fraqueza gosto de mostrar o tanto que aquilo me incomoda, e senti um dia que Jesus estava ali naquela pessoa que estava me irritando com a mastigação. Pode parecer algo tão bobo, mas é assim, Jesus estava ali e eu encontrei na necessidade de me fazer paciente, de sorrir ao invés de fazer cara feia, uma oportunidade de amá-Lo e encontra-Lo.

Outro exemplo de encontro com Jesus em algo super pequeno do meu dia a dia foi quando assisti à Frozen 2! Encontrei tanto Jesus naquele filme e quem poderia dizer que a Anna e a Elsa teriam tanto poder. As minhas irmãs – que assistiam comigo – não estavam entendendo o porquê de tanta comoção, mas ali estava Jesus para mim, e foi transformador. Eu estava aberta e Ele realizou.

Não tem receita pronta, é só estar aberto, disposto a amar e a lutar para fazer do cotidiano o lugar do encontro que nos leva a Jesus. Ele sempre bate à porta do seu coração, é só deixar entrar e se permitir ao encontro.

Ana Clara
Engajada na Comunidade Católica Pantokrator

 

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.