Faça sempre o seu melhor

1

Acredito que todo mundo, após conhecer a Deus, já passou pela experiência ardente de querer se doar e fazer tudo por Ele em troca. O andar da vida espiritual atinge um ponto em que a alma não se contenta mais em apenas receber o Amor do Pai, mas se sente impulsionada a dar desse amor aos outros. É aí que muitos começam a assumir diversos papéis e compromissos dentro da Igreja, querendo fazer cada vez mais e mais para Deus. E que bom que o fazem, isso é totalmente necessário e importante! Todavia, ainda se vê pessoas acreditando que é apenas por esse meio que podemos servir a Deus. Poucos realmente param para notar que, às vezes, não é assumindo muitos apostolados que estaremos agradando ao Senhor, e que o servir envolve um aspecto muito mais amplo do que pensam. Além do mais, nosso próprio coração não se contenta com apenas “fazer muitas coisas” se elas não forem feitas com zelo e dedicação. É como diz a famosa expressão: quantidade não é qualidade. No fundo, o que é realmente que Deus espera de nós: fazer muito ou fazer o melhor?

Quando Deus nos confia responsabilidades dentro de Sua Igreja, quando assumimos compromissos, podemos facilmente cair na ilusão de que Seu desejo é que tenhamos a iniciativa de nos propor a fazer qualquer coisa que apareça diante de nossos olhos, somente com a justificativa de que é para o Senhor. Nós de fato temos o chamado de entregar tudo, mas esse tudo não significa fazer tudo, significa sim dar tudo de nós mesmos, ainda que seja em uma única tarefa. Quando Ele nos dá alguma missão, é por que Ele precisa de nós por inteiro nela. Quando Ele nos entrega um papel, o Senhor merece nada menos que o nosso melhor naquilo. De nada adianta querermos tomar a frente de tantas coisas, se com nossas limitações não somos capazes de fazer nenhuma delas com a devida atenção que elas merecem.

Tudo é uma questão de justiça. Deus nos dá o Seu melhor, Ele nos dá Seu Filho, Ele nos permite comer do Seu banquete. É justo que eu dê na mesma medida, conforme a minha capacidade. É justo que eu dê o melhor de mim no que Ele me pedir. Um coração verdadeiramente grato pelo Amor do Pai não vê outra opção a não ser querer retribuir tomando conta das coisas de Deus com o maior zelo e cuidado possível, com a alma ardente para que tudo seja feito com perfeição. A busca da perfeição em tudo o que fazemos é lícita e boa, e é muito diferente do que se conhece por perfeccionismo. São João da Cruz nos ensina que o perfeccionista é aquele que quer as coisas impecáveis em parâmetros que o homem não é capaz de atingir, tudo porque suas faltas causam em si mesmo um mal-estar e uma ferida. Já o homem que busca a perfeição ideal, busca-a com a consciência de que ela está dentro dos limites de sua humanidade e busca-a para agradar o Senhor que merece, não ao seu orgulho.

Dar o melhor em tudo

Não parando por aqui, dar o nosso melhor para Deus nunca se limitou somente aos serviços realizados dentro da Igreja, diretamente para Ele. Para uma alma que arde por dar a vida ao Pai, fazer o melhor de si se estende a todos os aspectos do seu ser: trabalho, estudo, família, amigos, etc. São Josemaria Escrivá nos ensina que se eu sou inteiramente Dele, tudo que me envolve também é. Meu trabalho e estudos são para Ele, nas minhas relações eu O encontro, por isso fazer o meu melhor nessas coisas se torna ato de amor a Deus, com a mesma dignidade e honra que qualquer atividade que realizo dentro da Igreja possui.

melhor

Santa Teresinha do Menino Jesus ousa ir além e propõe algo que nos insere ainda mais numa vida de total entrega a Ele: ela diz em seus escritos que até mesmo ao pegarmos uma agulha caída no chão com amor, estaríamos agradando a Deus. Por mais simples que pareça, no final das contas, essa deve ser nossa postura: em tudo, nas coisas mais pequenas do dia a dia, nos mínimos detalhes, fazer o melhor, fazer com amor, fazer para o Senhor.

Ainda que muitas vezes pareça que você só possui as pequenas coisas para se doar a Ele, ainda que seu coração se sinta capaz de dar mais, não tenha medo de se agarrar naquilo que hoje é o que o Senhor te pede. “Disse-lhe seu senhor: ‘Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor’” (Mt 25, 23). A passagem do evangelista Mateus ilustra isso. No pouco que Ele nos dá, sejamos fiéis, façamos bem, e Ele nos confiará ainda mais amanhã. Existe dentro de cada um nós um grande potencial para a grandiosidade a ser descoberto. Hoje em dia, a baixa estima de muitos os impedem de enxergar isso. Ou talvez mesmo até a falsa humildade que esconde o orgulho.

Não existe nada de ruim em aspirar à grandiosidade, afinal, é para isso que fomos criados. O problema da vaidade e da soberba se inicia nos motivos e nas maneiras que se empregam para conquistar isso. Mas Deus nos cria para magnitude. E todas as vezes que colocamos nosso melhor nas pequenas coisas, Deus nos revela e expande ainda mais a potência que Ele prepara para nossas vidas. Ele não nos confia coisas que não tenhamos potencial para fazer. Ele nos capacita. E a cada passo, Ele derramará mais da Sua graça. E no final das contas, saberemos que não importa o que fizermos e onde estivermos, não há melhor forma de honrar ao nosso Deus do que dando o melhor de nós ao outro, à Igreja e a Ele em cada pequeno ato de nossas vidas.

Giovana Cardoso
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.