Os benefícios de um abraço

0

Ah! Braços que se movem para dar abraços! Abraço de reencontro, abraço de despedida, abraço de perdão, abraço de acolhida! Abraço de conforto, abraço em grupo, abraço mesmo com gripe, abraço que ergue o outro, abraço sustentado pelo outro! Abraço-surpresa, “abraço de urso”, abraço de marido e mulher, abraço de irmão, abraço embaixo de chuva! Abraço aos prantos, abraço para matar a saudade, abraço de comemoração!

Abraço é vida! E muitas vezes é o protagonista de momentos inesquecíveis, “roubando a cena” dos próprios fatos que nos acontecem. Aposto que até hoje você deve guardar algum abraço na memória, por mais tempo que se tenha passado! Quem sabe ainda, diversas lembranças desse gesto!

Por que o abraço é tão importante para nós?

Nós seres humanos somos constituídos de corpo, alma (psique) e espírito. Os benefícios de um abraço podem ser explicados dentro de cada uma das esferas do nosso ser!

Para se ter ideia da importância desse ato, universidades de grande renome a nível mundial realizam frequentemente pesquisas relacionadas ao abraço. Ele acelera a cura de pacientes com diversas doenças ligadas ao físico ou ao psíquico.

Benefícios Físicos

O abraço produz os seguintes efeitos no corpo:

– Relaxa os músculos, diminuindo a pressão arterial. Isso, além de reduzir a probabilidade de doenças cardíacas, favorece a oxigenação dos tecidos, aumentando o tempo de vida das células, impedindo o envelhecimento precoce do corpo;

– Tranquiliza o sistema nervoso, reduzindo risco de demência;

– Ativa o sistema imunológico, criando glóbulos brancos, que ajudam a prevenir doenças;

– Diminui o cortisol, hormônio ligado ao estresse;

– Incentiva a produção de hormônios, como a oxitocina (“hormônio do bem-estar” ou “hormônio do amor”), endorfina e serotonina.

Benefícios Psíquicos

Uma famosa terapeuta familiar, Virginia Satir, afirma que “precisamos de 4 abraços por dia para a sobrevivência, 8 abraços por dia para a manutenção e 12 abraços por dia para o crescimento”.

Como vimos, esse gesto faz com que o corpo produza hormônios (todos benéficos) que influenciam no psíquico da pessoa, aumentado a felicidade, o conforto, o equilíbrio ao cérebro e a autoestima.

O abraço vai de encontro com a necessidade que temos de nos sentirmos queridos, amados, protegidos, apoiados. A alegria de abraçar nos preenche, pois não é uma alegria egoísta de quem só quer reter um bem para si. O abraço também é doação, e isso torna a alegria duradoura! Ver os efeitos positivos de nosso abraço no outro: aí está a felicidade!

Além disso, o abraço é a expressão de afeto que resume palavras. Sabe quando você não consegue explicar seus sentimentos ao outro? Um demorado abraço tem esse poder! Vemos isso na história do “filho pródigo”, que rompeu laços com a família, com a intenção de nunca mais reencontrá-la. Ao vê-lo voltar, o que aquele pai, que todos os dias lhe esperava, poderia lhe dizer? Restou-lhe dar aquele inesquecível abraço, que se conserva conhecido atravessando milênios, e guardamos até hoje em nossos corações.

Benefícios Espirituais

Ao vivermos experiências de abraços, simplesmente vamos ao encontro da nossa essência de Filhos de Deus! Vamos ao encontro da nossa vocação ao Amor!

O abraço imita uma “fusão” de pessoas. O Catecismo da Igreja Católica, no § 255, refere-se à Santíssima Trindade: “(…) numa só natureza ou substância. Com efeito, n`Eles tudo é um, onde não há oposição da relação. Por causa dessa unidade, o Pai está todo no Filho e todo no Espírito Santo, o Filho está todo no Pai e todo no Espírito Santo e o Espírito Santo está todo no Pai e todo no Filho”.

Ainda no Catecismo, § 256, encontramos uma citação de São Gregório de Nazianzo: “(…) assim que comecei a pensar na Unidade logo me encontrei envolvido no esplendor da Trindade. Mal começo a pensar na Trindade, logo à Unidade sou reconduzido”.

Após uma oração fervorosa, ou após a eucaristia, eu me sinto fortemente impelida a abraçar alguém! O primeiro irmão em Cristo que estiver ao meu lado é a “vítima” certeira! Isso acontece porque tanto a Oração quanto a Eucaristia são instrumentos que nos conformam a Deus, Trindade de Amor.

É justamente essa relação que o Criador espera de nós: uma relação de unidade! “Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim, e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste”. (Cf. Jo 17,21)

Abraços que não vemos

Nos Braços do Pai encontramos amor e proteção: “Em terra deserta o encontrou, entre bramidos de regiões desoladas, e o cercou de cuidados e o acalentou, e o guardou como a menina dos olhos! Tal qual águia vigilante sobre o ninho, voando sobre os filhotes, ele estendeu as asas e o tomou e o transportou sobre sua plumagem”. (Dt 32, 10-12)

Na Cruz, o Filho abraça toda a humanidade. Este Sacrifício é atualizado em cada Santa Missa.

O Espírito nos envolve com Sua Sombra, ao invocarmos a Sua Presença.

Maria abraça a cada um de nós, pois aceitou ser a Mãe da humanidade.

Conclusão

Como vimos, todas as áreas de nosso ser foram pensadas para vivermos o amor e a unidade. O abraço é um dos gestos que melhor concretizam esta nossa essência. Quanto mais o praticamos, nos tornamos mais saudáveis, livres e felizes!

Deixo a você um forte abraço!

Luana Oliveira
Consagrada na Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.