Depressão: como convencer nosso cônjuge para que ele se cuide?

0
depressão

Escute aqui a transcrição dessa matéria

A depressão de um cônjuge geralmente tem um impacto negativo na vida familiar. O sofrimento permanente do deprimido e o seu cansaço acabam criando um clima insuportável, acentuado consideravelmente quando há uma recusa em cuidar-se. O que fazer então?

Mostrar que entendemos o que ele está enfrentando

Vamos primeiro ver o que ele não tem que fazer. Há uma grande tentação de pedir que ele “reaja”, “faça um esforço” para sair de sua apatia. Mas nunca pediríamos a um homem coxo que corresse! Portanto, você não pode pedir ao cônjuge deprimido que reaja porque, precisamente, é a sua “vontade” que é afligida: faz dela até uma montanha para ser tratada!

A primeira atitude é mostrar ao cônjuge que entendemos o que ele está vivendo. O cônjuge deprimido está em permanente estado de sofrimento: a vida lhe parece monótona, sem propósito. Ele percebe apenas o negativo.

Além da perda de motivação, há um intenso cansaço que o paralisa na necessidade de não fazer nada. É provável que isso irrite o cônjuge, que pode pensar que o doente não está fazendo nada.

Assim como uma pessoa é capaz de uma dedicação incansável a um marido ou esposa que sofre de câncer porque sabe que não pode fazer nada, muitas vezes acontece que o mesmo apoio não é mostrado com uma doença percebida de forma mais ou menos confusa como algo atribuível ao doente (pelo menos na recusa de ser cuidado).

Deixe que expresse os sentimentos negativos

A pessoa deve então permitir que o cônjuge deprimido expresse os sentimentos negativos que o afetam. Ele pode ser o primeiro terapeuta na medida em que aceita esses sentimentos, tomando cuidado para não subestimá-los ou corrigi-los.

Além disso, é útil que o cônjuge deprimido possa formular os motivos de sua recusa de ser cuidado: alguns podem estar fundamentados se, no passado, algum tratamento não fosse conclusivo. Esse diálogo conjugal, ao fornecer algum alívio ao doente, pode dar-lhe o desejo de encontrar outro centro sanitário ou profissional mais eficaz.

No entanto, às vezes a terapia precisa ser acompanhada de medicamentos. Frequentemente, os deprimidos podem ser céticos quanto à eficácia dos antidepressivos; portanto, precisam saber que podem progredir, mesmo que tendam a se desesperar por causa das recaídas cíclicas das fases depressivas.

O encontro com outra pessoa que conheceu a depressão e que saiu dela vitoriosa pode mostrar que vale a pena procurar entre a variedade de antidepressivos aquele que pode aliviá-lo, contando com conselhos profissionais.

Por último, mas não menos importante, deve-se ter em mente que os momentos de meditação sobre o abandono ao Senhor têm um valor terapêutico verdadeiro.

Denis Sonet

Via Aleteia

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

2 + sete =