Como ser uma pessoa com constância

0
constância

A maioria das coisas que dão certo na vida são frutos de algum tipo de constância. Um atleta só se destaca e se torna o melhor se ele for constante no seu treinamento. Um músico só se torna relevante se ele for constante no seu aprendizado e não desistir nunca de melhorar. Isso pode se aplicar a qualquer profissão, ainda que a pessoa tenha nascido com algum tipo de talento para a função que exerça. Nem mesmo o mais perfeito talento de nascença é capaz de nos levar, sozinho, para o topo da montanha. E assim como tudo nesse mundo material imita ou reflete o espiritual, assim funciona também a vida com Deus. Para que possamos vivê-la de forma autêntica, com fidelidade e intimidade, precisamos ser perseverantes. Ter constância. Senão, nos perdemos em um piscar de olhos.

Você pode ter nascido com um talento admirável de profunda sensibilidade à voz de Deus. Ou até mesmo com um talento que te permite enxergar com clareza os planos d’Ele na sua vida. No entanto, Jesus mesmo nos ensina que se o talento não for cultivado, de nada ele serve (Cf. Mt 25, 14-30). Para conquistar as promessas mais lindas que o Senhor sonhou para ti, é necessário ser constante na sua entrega.

O que é ser constante?

A constância é, antes de tudo, um movimento interior. De modo algum se resume a não parar de frequentar a missa, os grupos de oração, ou não deixar de lado seus apostolados. Ser constante é estar sempre caminhando, interiormente, em direção a Deus. É não desistir, ou desacelerar, ou desanimar. Esse movimento interior, que pode soar um tanto otimista demais para a realidade, é o que nos impulsiona e dá sentido a todas as nossas atitudes exteriores.

Porque eu amo constantemente a Cristo, eu não deixo de buscá-lo na minha oração diária, na minha dedicação à família ou na minha fidelidade às minhas responsabilidades profissionais.  O valor da constância está justamente em independer do que está acontecendo no universo ao seu redor. Seja momentos de intensa tribulação ou intensa alegria e paz, seu coração continua em sintonia com o coração de Cristo em todos eles.

Sintonia. Como é difícil aplicar essa palavra para nós, seres viventes do século XXI. As coisas mudam muito rápido, somos muito sensíveis a oscilações diversas e é praticamente impossível não desanimar com uma certa frequência. Além disso, não parecemos ter tempo para nada.

Vencendo a inconstância

Há algumas maneiras para lidarmos com essas nossas limitações. Santa Teresa de Jesus, durante toda a sua vida, adotou o método da determinação e disciplina em atitudes concretas no dia a dia, para a partir disso alcançar virtudes espirituais. Chamamos isso de ascese. Quanto mais praticamos exteriormente algo, mais nosso espírito se adequa a viver tal realidade.

Podemos praticar a constância de diversas formas. Olhar para si mesmo, se conhecer e entender qual é a maneira que mais se encaixa com sua personalidade é o que irá fazer toda diferença. Para alguns, a prática de atividade física diária pode ser uma boa maneira de exercitar a constância. Para outros, aprender algum instrumento é uma alternativa mais apropriada. Outras coisas pequenas também podem ser feitas, como por exemplo escolher sempre um horário para arrumar o quarto ou organizar suas tarefas diárias em uma planilha.

O importante é estabelecer metas diárias que te exijam uma certa disciplina e determinação para cumpri-las. Assim, seu corpo é educado na constância e com o tempo, também sua vida espiritual poderá gozar dessa virtude. Em sua carta, São Tiago diz logo nas primeiras linhas a importância dessa virtude: “Mas é preciso que a constância efetue a sua obra, a fim de serdes perfeitos e íntegros, sem fraqueza alguma”. (Tiago 1, 4).

Cristo é constante por nós, mesmo diante de todo o pecado que somos capazes de cometer. Ser fiel a Ele e corresponder a esse amor, nada mais é do que estar constantemente para Ele e para seu Reino. O coração indiviso, que não se deixa abalar por outros amores e desamores, é o que fez de muitos seres miseráveis os maiores santos já vistos.

Comece um passo de cada vez. Ter paciência consigo e recomeçar quando necessário também é buscar a perseverança. Para Jesus, isso já é de grande valor. Ainda na parábola dos talentos, Ele nos ensina que quando semeamos algo, ainda que tenhamos poucos frutos, ele nos dará ainda mais em abundância. Enquanto se não tentarmos, tudo o que temos será tirado. A vida espiritual não deixa de ser um talento (dom) que o Senhor nos oferece a partir do momento em que nos convertemos. Que através da constância a cultivemos, para assim recebermos ainda mais de Cristo todas as maravilhas que Ele pode nos dar.

Giovana Cardoso
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.