Resiliência pautada nas Virtudes Teologais

3

A palavra resiliência sempre intrigou-me por trazer em si um certo mistério e força! Começo esse texto, perguntando: Você tem ideia do significado da palavra resiliência?

Resiliência ou resiliência tem seu conceito originado da física para referir-se a propriedades existentes em alguns tipos de materiais que conseguem acumular energia quando submetidos a situações adversas (geralmente, estressantes), sem ocorrer rupturas em suas propriedades, de forma que conseguem voltar ao seu estado normal mesmo depois de terem sofrido grande tensão.

Nós não somos um material ou matéria-prima que pode ser facilmente classificada dentro da ciência física. Somos seres humanos, filhos amados de Deus. Entretanto, tal conceito tem sido usado para definir um conjunto de qualidades de pessoas que sabem lidar com situações complexas, estressantes e difíceis com superação tanto física quanto emocional.

Dentro desse conjunto de qualidades temos: a capacidade de fácil adaptação à novas realidades, o otimismo, o testemunho da alegria, o cultivo de uma autoestima saudável e equilibrada. Além da criatividade, a facilidade de expressar seus pontos de vistas defendendo seus valores e ideais e a prática em vislumbrar o melhor das pessoas e das situações vividas.

Analisando esse conjunto de qualidades, arrisco-me a dizer que são qualidades que devem ser fundamentas nos ensinamentos e testemunho de nosso Senhor Jesus Cristo!

Exemplo de resiliência

A vida terrena de Cristo muito nos ensina sobre o cultivo da fé, do otimismo. Da vivencia da alegria em todas as situações, da perseverança, da constância, da esperança e do amor gratuito.

As virtudes teologais (Fé, Esperança e Caridade) que recebemos no sacramento do Batismo inserem-nos na graça sobrenatural da vida de Deus. Auxiliando-nos a viver nossa vida nesse mundo com os pés fincados nessa terra, mas com os olhos e o coração voltados para o céu, para o que é sagrado e para a vida eterna. Isso fortalece a nossa resiliência.

Eu, de fato, creio que precisamos cultivar a resiliência em nossa vida para enfrentarmos as lutas diárias sem perder o foco do que é eterno e precioso. A resiliência nos centra no que é essencial, ou seja, nos centra em Deus, na Sua vontade e na busca da santidade. A resiliência aproxima-nos de Deus, Seus ensinamentos e desígnios.

Todo ser humano, sendo imagem e semelhança de Deus, possui a capacidade de reinventar-se, de superar-se. Mas, não somente por mérito próprio. Além do esforço pessoal que cada um de nós precisa para levantar-se e decidir seguir adiante, creio que a graça Deus e a presença do Espirito Santo na nossa alma, ajudam-nos a amadurecer e crescer na resiliência: “Pois, quando estou fraco, então é que sou forte” (II Coríntios 12,10).

Deus não nos chama para uma vida medíocre e triste! Ao contrário, nos chama para uma vida plena e alegre, apesar das dificuldades e surpresas que a vida nos reserva. Quantas pessoas vivem seus dias sem vontade de viver? Ou que não conseguem aceitar e enfrentar a vida como ela se apresenta com obstáculos a serem transpostos? Ou com problemas e conflitos interiores a serem encarados e resolvidos?

Quantas vezes, não ficamos adiando a decisão de uma nova postura ou de um novo olhar sobre todas as situações difíceis da vida que nos machucam e oprimem? Ou, caímos na desesperança e aflição por achar que não há solução para uma determinada situação? Quantas vezes perdemos a serenidade frente às crises e obstáculos?

Como ser resiliente?

Não conseguimos controlar os ventos que sopram no nosso barco. Mas, podemos ajustar as velas para continuarmos no nosso destino. É isso o que o resiliente faz: não deixa o barco perder o rumo do seu destino. Nós que conhecemos e cremos em Cristo, nosso Senhor e Salvador, somos resilientes quando clamamos ao Espirito Santo a graça de deixamos Cristo conduzir nosso barco não permitindo que desviemos do nosso destino: a vontade Deus e nossa salvação.

Diariamente no final do meu dia, em oração, pergunto-me: Hoje eu fui uma mulher resiliente? Onde preciso amadurecer? Depois de um momento de reflexão, clamo a Deus: “Senhor, dá-me a graça de olhar para os desafios da minha vida com alegria e esperança. Dá-me a graça para encarar e superar esses desafios com serenidade, sabedoria e, principalmente, Tua presença. Sei que não estou sozinha, Você sempre está comigo. Ajude-me a enxergar em cada diversidade uma oportunidade de amadurecimento, louvor e vivencia da santidade. Por minhas forças eu não consigo, Senhor! Mas, com Teu amor e Tua graça, eu posso e consigo. Sou mais que vitoriosa em Ti, Senhor! Capacita-me a viver minhas duras realidades com fé e esperança. Não permita, que os desafios roubem a minha capacidade amar, sonhar e sorrir. Amém”

Que Cristo te fortaleça e conceda todas as graças necessárias para a vivencia da resiliência pautada na Fé, Esperança e Caridade.

Marcia Maria Tognetti Correa
Consagrada da Comunidade Católica Pantokrator

3 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.