A BELEZA DA FRAGILIDADE GERA GRAÇA

0
fragilidade

Por um acaso, ao se deparar com sua fragilidade, você se sente “diminuído”? É comum e natural isto acontecer, mas temos algo a te revelar, que poderá mudar sua visão para sempre…

A BELEZA DA FRAGILIDADE…

Você pode me perguntar: Como a fragilidade pode ser bela? Aquilo que é frágil se rompe facilmente. É fraco, necessita de cuidados especiais, ao mesmo tempo que é instável, efêmero e não tem solidez. Isto, sem contar que quando se trata de fragilidade humana, também nos referimos às mazelas e tendências ao pecado.

Concordo que estas características por si mesmas não são belas. Mas, quando nos unimos à potência de Deus, elas ganham inestimável valor e aí sim, se enchem de beleza! Ele é capaz de transformar o nosso “Nada” em fonte de Graça!

Gostaria de citar aqui alguns exemplos, dos mais variados assuntos que podemos contemplar em nosso cotidiano (ou até que não fazem parte de nosso contexto, mas que de alguma forma chegam ao nosso conhecimento). Com isso, te convido a ir além, pois certamente virão em sua mente novos exemplos, que talvez eu não tenha imaginado, mas que ilustram bem o VALOR da fragilidade.

Começo citando o nosso corpo: os órgãos mais essenciais à vida estão protegidos por uma “carapaça” de ossos e como necessitam de tanta proteção, concluímos que eles por si são frágeis. E ainda, são ESSENCIAIS à vida!

Um dos presentes mais estimados que se possa oferecer a alguém são flores. Porém, nem todas as espécies podem ser replantadas. Sendo assim, este é um presente tão efêmero (fisicamente falando), portanto, tão frágil! E esta efemeridade representa muito bem a solidez de quem se ama!

O que falar sobre um salto alto, então?! Não sei a sua opinião sobre ele, mas é certo que este tipo de calçado interfere na segurança dos passos, conferindo a quem usa, uma maior sensação de fragilidade e é justamente neste desafio que mora a sua beleza e elegância.

Nas artes, de maneira geral, há uma especial preferência no uso da delicadeza para se revelar o belo. Por isso, tenho a impressão de que aquilo que é mais custoso tem uma grande fragilidade em seus materiais.

Na fotografia, não há quem resista à contemplação de um bebê dormindo, não é mesmo? Quer mais fragilidade do que isto?

Na arquitetura, há quem projete com a intenção de provocar no observador uma sensação de “desafio da gravidade” (portanto, uma sensação de fragilidade), ocultando-se e disfarçando-se as estruturas, promovendo-se grandes vãos livres e aí está a beleza de sua obra!

Nós também somos “obras de arte” nas Mãos de Deus! E assim como nas “outras artes”, a nossa fragilidade exalta o “Artista”! Quantas pessoas somente “se achegaram a Deus” após terem contemplado milagres?

Gostaria de lembrar o exemplo de Santa Isabel, que carregava consigo a fragilidade de ser estéril, e que ainda, trazia na idade avançada mais um obstáculo para uma possível gravidez. Mas, foi somente assim, em meio a este contexto, que “toda a região montanhosa da Judéia” (e os confins do mundo, por milênios) reconhecemos que “a Mão de Deus” se fez presente naquela situação. (Cf. Lc 1,66) Se não fossem estes obstáculos todos, a nossa tendência seria a de não reconhecer a presença e o poder de Deus!

Quanto a você, sabe aquela fragilidade que te constrange? Ela pode ser O MOTIVO da sua Santidade, do seu Céu! Ela pode ser a “grande pregação” da sua vida! E vou além: se Deus te chama a um maior abandono em sua providência (tornando-te “mais frágil”, despojado de suas “armas”, de suas “reservas” e “seguranças”, para se apoiar mais inteiramente Nele), não hesite! Obedeça sempre a Sua Voz! E claro, busque sempre o discernimento de qual é verdadeiramente a Voz de Deus para a sua vida, para assim obedecer!

…GERA GRAÇA

Saber lidar com nossa fragilidade e assumi-la é uma forma de dizer: “Importa que Ele cresça e que eu diminua”. (Jo 3,30) A nossa postura de nos permitir DEPENDER de Deus, revela o Seu Poder ao mundo! Aos olhos dos outros, muitas vezes, “DIMINUÍMOS” (pois não se valoriza a “dependência”, a acolhida da fragilidade, a postura de quem não precisa “se sobressair” em busca de reconhecimento). Mas, aos olhos de Deus, isto significa CRESCER na coragem!

Como Teresinha nos ensina: é o próprio Deus que nos ELEVA em Sua Misericórdia. Nossa pequenez atrai o Seu Olhar, e Lhe convida a este movimento de nos defender, de nos ser surpreendentemente favoráve ! É por isso que Santa Teresinha nos ensina a não somente ACOLHER nossas misérias, mas a AMÁ-LAS! Justamente por serem este convite ao movimento de Deus Pai que se agrada imensamente em nos acolher e ajudar, mas, que também respeita nossa liberdade de aceitarmos esta acolhida e auxílio.

É interessante também observar que a “frágil” Teresinha também foi comparada a uma “barra de aço”, só lembrando que o aço é um material de exemplar maleabilidade e durabilidade, elasticidade, boa resistência, características opostas à fragilidade. Mas, como pode acontecer de alguém que não reluta com sua fragilidade ser comparada a uma “barra de aço”?

O segredo de Teresinha está na beleza de “não precisar” ter em si a estrutura, mas fazer de Deus a sua fortaleza! É escondido Nele que encontramos nossa solidez e trilhamos o caminho da eternidade!

Que Deus te abençoe!

Luiza Torres
Discipula da Comunidade Católica Pantokrator

 

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.